Núcleo de Apoio à Pesquisa – MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Português Inglês Espanhol

Recursos hídricos e mudanças climáticas

Como estabelecer esforços para integrar clima, hidrologia e avaliações de gestão e políticas publicas em bacias hidrográficas urbanas e peri-urbanas a partir de impactos esperados da desagregação espacial e temporal dos modelos do IPCC? A primeira parte da pesquisa explora algumas combinações de cenários com mudança de uso da terra e de variáveis climáticas, mediante a inclusão de modelos de transferência de riscos hidrológicos, ou seguros. São testadas novas metodologias de avaliação de vulnerabilidade social, econômica, física e disponibilidade a pagar para coberturas de sinistros de origem hidrológica e com viés em mudanças climaticas. A segunda parte do trabalho avalia balanços hídricos que incluem componentes reais e virtuais, conformando a pegada hídrica como elemento de adaptação de demanda hídrica de longo prazo. Os cenários gerados pelo INPE são abordados em consonância com as componentes de demanda local e suas fontes de vulnerabilidade que pode ser mitigada com medidas estruturais e não-estruturais de recursos hídricos. São propostas guias para aplicar em varias escalas hidrográficas, desde lotes urbanos até bacias de médio porte, buscando medidas compensatórias de gestão descentralizada de recursos hídricos sob mudanças de longo prazo.

O principal objetivo é propor mecanismos de adaptação em duas frentes: modelos de seguros e balanço hídrico de terceira geração, com indicadores de sustentabilidade hídrica usando água virtual. Estes objetivos são divididos em etapas de curto e médio-prazo, dentro do cronograma do projeto. Os objetivos de longo prazo no projeto são: (1) desenvolver e aperfeiçoar os modelos de transferências de riscos hidrológicos como mecanismos de mitigação para redução da vulnerabilidade das bacias hidrográficas sob extremos hidrológicos e (2) implementar metodologias de balanço hídrico que incluam componentes de água virtual. Os objetivos de curto prazo para o projeto são: (3) estudar os fatores limitantes de vulnerabilidade hídrica e de riscos em bacias hidrográficas experimentais brasileiras, com critérios e indicadores de sustentabilidade que sirvam para adaptação a cenários de longo prazo como para medidas de alerta para desastres iminentes em sistemas de alerta, (4) implementar e aperfeiçoar os modelos hidrológicos e hidráulicos que sirvam para testes de vulnerabilidade e limites de resistência perante os extremos hidrológicos como enchentes e alagamentos, e (5) estabelecer guias para cenários de adaptação hídrica junto a comunidades e localidades mais suscetíveis e vulneráveis aos possíveis efeitos hidrológicos de mudanças climáticas. Esta pesquisa é realizada em parceria de EESC/USP, IAG/USP, ICMC/USP e INPE/CEMADEN.